quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Serie: Gentileza gera Gentileza


As vezes fico chocada como as coisas hoje em dia são descartáveis, e olha que eu  estou falando de bens materiais, porque não vou entrar no mérito das relações entre as pessoas que andam pelo mesmo caminho e mentalidade. Incrível como quase tudo tem um prazo curto de validade hoje em dia, até aqueles bens que você acredita que deveria durar para sempre ou que pelo valor investido você teria que levar e usar aquilo com você para a eternidade, pelo menos foi o que meu pai me ensinou cuidar bem das coisas para que elas nunca se acabem. Mas não é bem  assim que as coisas tem funcionado né, tanto pela qualidade dos produtos que tem sido bem inferior dos produzidos a alguns anos atrás, com a justificativa para que você possa estar sempre comprando e se atualizando, mas também por "enjoarmos" fácil das coisas, vide os eletrônicos, estamos sempre em busca do mais moderno, do lançamento do momento, mesmo quando a diferença tenha sido pequena de uma versão para a outra. 
E aí, como fazemos no caso de alguma coisa esteja em bom estado, mas ainda sim cismamos que temos/precisamos de trocar, comprar um mais atualizado com um design diferente, o que fazemos com o outro objeto que estará fadado a ficar inutilizado? Claro que existe muitas variáveis, caso alguém queira você pode vender ou doar, mas tem dias e coisas que realmente não sabemos como desfazer, tenho visto muito coisa útil jogada em lixo e caçambas por aí (se me é útil eu cato mesmo, não tenho vergonha nenhuma de reutilizar algo que para mim terá utilidade).



Pensando neste problema, em reutilizar o "lixo" que ainda pode ser aproveitado, um grupo de designers e engenheiros holandeses criaram o GOEDZAK (derivação das palavras GOE e ZAK ou BENS e SACOLA, respectivamente),que é um saco de lixo para serem colocadas as coisas que não servem mais para você, mas que ainda podem ter uso para outras pessoas.
 "O objetivo dessa história toda é criar uma cultura de reuso, para gerar sentimento de retribuição nas comunidades de forma ecológica e cumprindo um papel social conectando pessoas com as cidades com seu design diferenciado, para que os objetos sejam vistos através dela, esperasse gerar uma cultura onde se torne normal vê-las nas calçadas e se entenda naturalmente sua utilidade."

 

(visto aqui)